Google+ Galeria de bichos Ameaçados : Rato raro | Icon Publicitá

Pages

 

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Galeria de bichos Ameaçados : Rato raro

0 comentários

O rato-de-espinho é encontrado apenas no Cerrado brasileiro (foto: Alexandra M. R. Bezerra).
Galeria traz quatro animais que correm risco de extinção. Entre eles, um roedor do Cerrado!

Quem um dia visitar regiões de cerrado, deve estar preparado para um encontro inesperado. Ele tem membros curtos e patas estreitas com unhas longas, orelhas pequenas e o corpo coberto por pelos macios e castanhos misturados com outros espinhosos. Assustador? Que nada! Trata-se do rato-de-espinho, um roedor ameaçado de extinção.


Encontrar o rato-de-espinho é, no mínimo, sorte sua, pois ele é representante de um grupo de roedores que só ocorre no continente americano. Uma característica marcante dessa espécie são seus dentes incisivos superiores – que os roedores usam para cortar os alimentos -, que tem uma valinha ao longo de todo o dente.

Procura-se!
Nome científico: Carterodon sulcidens.
Nome popular: rato-de-espinho.
Tamanho médio: cerca de 20 centímetros de corpo e 7,5 centímetros de cauda.
Local onde é encontrado: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais.
Hábitat: áreas de campos abertos da região central do Brasil.
Motivo da busca: Animal ameaçado de extinção!
O fato de ser um animal muito raro faz com que os pesquisadores conheçam pouco sobre seus hábitos. Pelas informações disponíveis, sabe-se que esta espécie prefere sair de sua toca ao final da tarde e gosta de se alimentar de plantas.

O rato-de-espinho vive só em áreas de campos abertos – zonas de vegetação rasteira, com poucos arbustos e árvores. As regiões onde ele mora são também as preferidas para as plantações e criações de gado, que acabam ocupando e destruindo o hábitat do roedor.

A esperança é a criação de leis que obriguem os donos de terra a destinarem parte de suas propriedades a serem reservas naturais. Só assim será possível preservar o que ainda resta da vegetação e de outros animais que vivem no Cerrado.

0 comentários:

Postar um comentário